Réplicas de azulejos

 

 

Réplicas executadas aqui na oficina no âmbito de diversas intervenções de conservação e restauro de azulejos.


Réplicas de cerca de 800 azulejos de padrão e figurativos para o painel da autoria de Julio Pomar e Alice Jorge, datado do séc. XX, existente na Av. Infante Santo, em Lisboa.


Execução de réplicas de azulejos figurativos e de fragmentos a quente para os painéis de azulejos exibidos na exposição temporária “O encanto na hora da descoberta – A azulejaria de Coimbra no século XVIII “, patente no Museu Nacional do Azulejo.


Réplicas de azulejos de padrão do século XVII, para a Igreja Matriz da Louriceira.


Réplicas de azulejos de meio-relevo, com padrão Arte-Nova, de 1910, executadas para o hall de entrada de edifício de habitação no Chiado, em Lisboa.


Réplicas de azulejos de meio-relevo, de cercadura Arte-Nova, de 1910, executadas para o hall de entrada de edifício de habitação no Chiado, em Lisboa.


Réplicas de azulejos relevados do séc.XVI, executadas para a Capela Manuelina, existente no Jardim do Palácio da Pena, em Sintra.


Réplicas de azulejos relevados do séc. XIX, executadas para o Arco do Alhambra, no Palácio da Pena, em Sintra.


Réplicas de azulejos relevados do séc. XIX, executadas para o Arco do Alhambra, no Palácio da Pena, em Sintra.


Réplicas de azulejos de padrão do séc. XVII, executadas para o Espaldar e Tanque Octogonal  da fonte do Caminho Perfumado do Parque de Monserrate, em Sintra.


Réplicas de azulejos relevados do séc. XIX, executadas para o Arco do Alhambra, no Palácio da Pena, em Sintra.


Réplicas de azulejos de aresta-viva, do séc XX, executadas para a fonte da plataforma inferior do Miradouro de Santa Luzia, em Lisboa.


Réplicas de azulejos de estampilha, do séc XIX, para a Sala de Jantar do Palácio da Pena, em Sintra.


Réplicas de azulejos do séc XVIII, com enrolamentos de acanto, para a barra superior de fachada de edifício de habitação no centro de Lisboa.


Réplicas de Azulejos Pombalinos, para silhares em edifício da Baixa Lisboeta.


Réplicas de azulejos do séc XVI para o chão do altar da Capela Manuelina existente no jardim do Palácio da Pena, em Sintra.


Réplicas de cantoneiras do séc XVI para o altar da Capela Manuelina existente no jardim do Palácio da Pena, em Sintra.


Réplicas de azulejos figurativos do séc XVIII, para o Passo do Terreirinho, em Lisboa.


Réplicas de azulejos de estampilha para o friso superior existente em edifício de habitação no centro de Lisboa.


Réplicas de azulejos figurativos do séc XVIII para os silhares da Igreja do Pópulo, em Braga.


Réplicas de azulejos enxaquetados, do séc XVII, para a Igreja de Nossa Senhora da Guia, em Alhandra.


Réplicas de azulejos figurativos Arte Nova para o antigo Animatógrafo do Rossio, em Lisboa.


 

Anúncios

20 thoughts on “Réplicas de azulejos

  1. Fantástico trabalho Isabel! como é que eu não sabia que fazias tudo isto… tenho de dar um puxão de orelhas ao Pedro 😉

  2. Cara Isabel Colher

    A recuperação dos painéis do Animatógrafo estão excelentes, quando os fotografei julguei que fossem os originais.

    Quanto à autoria a Miguel Queriol e José António Jorge Pinto, em algumas publicações só a Queriol, tenho dúvidas se foram os dois que colaboraram conjuntamente ou não.

    Agradecia qualquer esclarecimento.

    Cumprimentos

    António Cota

    • Muito obrigada, António.
      Esse trabalho foi dos primeiros que fiz, após terminar o curso de restauro de azulejos, há muitos anos.
      Pelo que me lembro da investigação feita na época, tendo em vista descobrir os motivos que existiriam nos azulejos originais e que se tinham perdido, os painéis eram atribuídos só a M. Queriol… Lamento não conseguir adiantar-lhe muito mais.
      Os meus cumprimentos,
      Isabel

  3. Cara Isabel Colher

    Realmente é uma confusão a autoria dos azulejos do animatógrafo.
    Por exemplo José António Jorge Pinto elaborou três painéis, segundo desenho de Raúl Lino, para a casa dos Patudos.
    Nas publicações da época Miguel Queriol é referido como desenhador e nunca como pintor. Ao que parece não se lhe atribuem mais obras em azulejaria.

    Muito obrigado pela sua ajuda e umas boas festas

    Cumprimentos

    António

  4. Olá Bé,

    vim ver teu blog e ADOREI.
    Adorei ver os trabalhos de restauro e acho que fizestes muito bem em tomar aquela decisão recente.
    Tudo de bom. Vou continuar a ver.

    Beijo,
    Isabel Marques

  5. Hoje ao ver o seu trabalho, fez-me recordar o meu primeiro emprego após tirar o curso das Artes do Fogo. Aprendi a técnica do Séc. XVIII (entre outras) na fábrica de Santa Ana, na Ajuda. Foi uma paixão que durou 17 anos.
    Tenho actualmente outro curso e outra profissão completamente diferente, como pode ver no meu site: http://www.solfar.pt .
    Mas confesso, que tenho alguma saudade dos meus pincéis e tintas de alto fogo!

    Bom trabalho.
    Ana Fialho

  6. Muito obrigado sim vou precisar concerteza ,neste preciso momento estou de saída para o estrangeiro mas quando voltar vou pedir alguns conselhos tudo de bom Miguel

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s