HISPANO-ÁRABES

Continua a bom ritmo a manufactura de réplicas de azulejos que estou a fazer para o Palácio da Vila, a maioria dos quais em corda seca e aresta-viva – técnicas utilizadas nos azulejos de padronagem mudéjar, introduzidos na Península Ibérica através da cultura árabe e que chegaram a Portugal em finais do século XV, inícios de XVI, através de encomendas a oficinas hispânicas.

A corda seca e a aresta-viva, são no fundo uma evolução técnica do fabrico dos revestimentos murais de padronagem alicatada, composta por uma infinidade de pequenas peças únicas, de formas e cores diferentes, recortadas a alicate de placas de barro vidradas, de cor lisa. Com a introdução destas novas técnicas de fabrico – primeiro a corda seca e depois a aresta ou cuenca -, conseguia-se criar revestimentos com padronagens de efeito visual semelhante às anteriores, a quais podiam ser produzidas com maior rapidez e muito provavelmente, a mais baixo custo, não só de fabrico, como também de assentamento. As peças passaram a ser de maiores dimensões e para criar esse efeito visual, a superfície apresentava pequenas zonas estanques, as quais eram vidradas com cores diferentes e protegidas por separadores que impediam que estas se misturassem ao fundir durante a cozedura.

Assim, a corda seca consistia na gravação do desenho numa placa de barro ainda húmida. Os sulcos obtidos eram depois preenchidos a manganês misturado com uma gordura, garantindo assim a separação dos vidrados de várias cores durante a cozedura. Pelo contrário, a aresta-viva consistia numa saliência com o desenho, que era conferida ao barro ainda húmido com o auxílio de um molde de madeira ou metal. Estas saliências faziam o mesmo efeito de separador dos vidrados coloridos, impedindo-os de se misturarem durante a cozedura.

Anúncios

RELEVADO

Tenho andado sem mãos a medir com a manufactura de réplicas para o Palácio da Vila, em Sintra.

Para além dos azulejos de aresta-viva e corda seca, que por si só já são complexos de executar, o maior desafio é reproduzir os azulejos com motivos em relevo.

Apoiada no cálculo de retração que o barro sofre após a secagem e a cozedura, o protótipo de cada azulejo é modelado à vista, tentando que o motivo em relevo se assemelhe o mais possível ao do azulejo original e respeitando não só as suas dimensões como também a sua espessura – neste caso, cerca de 16x16cm e quase 3cm de espessura, maravilhoso!

Depois do modelo estar terminado, tira-se-lhe um molde em gesso, a partir do qual é possível reproduzir tantos azulejos quantos se queira ou precise – neste caso, dois.

500 ANOS

Comecei a trabalhar numa encomenda para o novo circuito de acessibilidades previsto para o Palácio da Vila, em Sintra – a manufactura de réplicas de alguns dos azulejos mais antigos existentes em Portugal, quase todos provenientes de Sevilha, durante os séculos XV e XVI.

Trata-se de azulejos com diversas tipologias e técnicas diferentes, na sua maioria em aresta-viva e corda-seca – uma vez que este palácio possui a maior colecção de azulejaria hispano-mourisca in situ-, mas também alicatados, esgrafitados e relevados, os quais tenho de tentar reproduzir de acordo não só com as dimensões e espessura, mas também com as texturas e tonalidades.

Estou muito satisfeita, a fazer o que mais gosto. E um bocadinho orgulhosa, também.

 

 

CESOL

Entreguei hoje os azulejos que fiz para a Igreja de Cardigos, pertencente à diocese de Portalegre, os quais, parecendo fáceis de realizar, ainda me deram alguma água pela barba.

Tratam-se de réplicas de azulejos de meio-relevo industriais, feitos nos anos 70 pela Cesol, uma antiga fábrica de cerâmica existente em Souselas, e que eu tentei replicar manualmente, apesar de saber de antemão – e avisar – que o aspecto final seria sempre diferente do dos azulejos originais: impecavelmente planos e regulares, de corpo cerâmico feito em pasta branca e espessura fina e superfície vítrea imaculada, sem o mínimo defeito – perfeitamente fundida, sem nenhuma bolhinha ou ponta de alfinete, nada.

E assim sendo, entre a modelação do azulejo protótipo; a execução do molde que deveria ser a madre mas que afinal acabou por servir para a manufactura de mais de cem unidades; a secagem lentíssima e controlada, em pilhas de azulejos, a fim de tentar evitar empenos e deformações; a humidade deste inverno interminável aqui dentro da oficina; a procura da solução para mudar o tom das chacotas em pasta alaranjada que depois se iria notar sob a transparência do vidrado azul; os testes e experiências de cor falhados; as noites mal dormidas; o vidrado fino de mais; o vidrado grosso demais; a vidragem manual de cada azulejo a contar 1,2,3,4… sempre ao mesmo ritmo; a fornada à temperatura certa com o patamar final correcto; o acondicionamento em caixas de cartão e a entrega ao cliente esta tarde, passaram-se mais de dois meses.

Um pouco mais do que tinha previsto. Mas consegui.

 

 

 

 

EM SECAGEM

Entretanto, entre umas e outras coisas que tenho em mãos, acabei há uns dias de fazer a produção de chacotas para a execução de 100 réplicas de azulejos de meio-relevo, para as quais modelei o protótipo há cerca de um mês.

Tratam-se de réplicas de azulejos industriais, as quais estão a ser realizadas cem por cento à mão e que, obviamente, terão as devidas diferenças – apesar de eu estar a tentar fazê-los o mais parecidos possível. As chacotas são bastante finas e devem secar lentamente, empilhadas umas em cima umas das outras, para não correrem o risco de ficarem todas empenadas. O controlo de secagem é feito diariamente e os azulejos que se apresentam mais secos vão sendo estendidos em ganapos, para adiantar o processo – porque com a humidade que ainda se faz sentir aqui na oficina, estou a ver que nunca mais saio daqui.

 

COROAÇÃO DA VIRGEM

Há coisa de um ano estive ocupada com a manufactura de cerca de oitenta réplicas de azulejos de padrão do séc XVII, para colmatarem as lacunas que existiam no interior de uma pequena igreja na Louriceira e que na altura falei aqui.

Os trabalhos de conservação e restauro da igreja entretanto continuaram e fiquei agora a saber que, aquando da intervenção no revestimento azulejar, foram encontrados alguns azulejos figurativos que se encontravam assentes por aqui e por ali, no meio da padronagem e que depois de montados e organizados, vieram a revelar um registo votivo à Virgem Maria – o que faz sentido, uma vez que esta igreja ainda hoje é uma igreja de culto Mariano.

O painel  chegou aqui à oficina com dez azulejos em falta e segundo percebi, foi feita alguma investigação para se tentar encontrar alguma imagem antiga ou gravura na qual se conseguisse ver como seria o desenho original, a qual resultou em nada. A ideia de fazer azulejos lisos, sem desenho e dentro dos tons dos azulejos envolventes, foi posta de parte pela própria igreja, que alegou que sendo a mesma devota ao culto Mariano e estando o painel exposto, os crentes gostariam de rezar a uma imagem completa – o que para mim, apesar de não professar nenhuma religião, faz todo o sentido.

Decidi fazer o desenho o mais simples possível, tentando não inventar muito – ora fazendo simetrias, ora seguindo pormenores do desenho do azulejo anterior, ora dando continuidade a linhas e tons e manchas cromáticas; como se fosse possível saber o limite entre o inventar muito e o inventar pouco.

Adoro estes pequenos registos religiosos do séc. XVII, feitos com tanta ingenuidade por artesãos sem grandes noções de desenho, mas confesso que a coisa não foi totalmente fácil; por vezes não havia nenhum indício por onde me guiar, não existiam simetrias, o desenho não parecia fazer nenhum sentido e os azulejos envolventes não pareciam bater certo uns com os outros – várias vezes verifiquei as posições, mas estavam todas correctas. Nalguns pontos limitei-me apenas a prolongar um pouco as linhas de contorno existentes e assim as deixei ficar, sem saber o que fazer com elas.

Para não falar dos tons, claro – o manganês é muito instável e difícil de trabalhar e tenho pouca experiência na aplicação do verde cobre à pintura; já para não falar do vidrado branco do fundo, tão pouco branco.

Enfim, o desenho foi aprovado por parte da igreja e os azulejos foram pintados – alguns pormenores resultaram melhor do que outros; agora se calhar fazia-os doutra maneira, porque me parece que os originais não seriam bem assim; mas na verdade não faço ideia nenhuma de como seriam e todas as hipóteses poderiam ser sempre diferentes e esta até está razoável.

E agora recebi a fotografia do painel restaurado e já aplicado na parede; a ver se um dia destes consigo ir à Louriceira para visitar a Igreja Matriz.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

GRAVAR

Hoje estive a gravar o protótipo de um azulejo em meio relevo, o mais parecido possível com este original que me entregaram para eu fazer a produção de cerca de cem réplicas – e que estava parado há já algum tempo ali na prateleira, à espera de ordem para avançar.

Confesso que esta tarefa de modelar e gravar é de todas a que mais me agrada fazer; fico obcecada e não consigo parar para a pausa do chichi ou a do lanchinho a meio da manhã ou até mesmo para o almoço – hoje fui safa pelo carteiro, que felizmente apareceu com uma carta registada para eu assinar, já passava das duas da tarde e foi quando aproveitei para comer, em pé e a olhar para o trabalho, quase a intercalar as garfadas com os acabamentos com o teque de corte.

Sou uma privilegiada, eu sei.