Séc. XVIII

P1120636

Em paralelo com as réplicas dos azulejos relevados que fiz para o Arco do Alhambra, estive também a pintar meia dúzia de azulejos que integrassem as lacunas existentes no grande conjunto azulejar do séc. XVIII – em obras de conservação e restauro –  que reveste a parede da Sala D. Manuel, no Museu Nacional do Azulejo.

Saíram agora mesmo do forno; conto entregá-los para a semana que vem.

P1120646

Anúncios

PANÓPLIAS MILITARES

P1120625

Ontem deixei vidrados e arranjados os azulejos das Panóplias Militares, os quinze que faltavam para acabar o conjunto de réplicas que tenho de fazer para a Pena. Hoje percebi que subestimei o tempo que tinha previsto para a pintura e demorei mais do que estava à espera com cada um deles; queria a todo o custo fazer uma cozedura ainda esta noite, mas deparei-me com muitos pormenores e tintas e pincéis diferentes, que não tinha ainda reparado com tanta atenção.

Com alguma calma, resolvi que pintava o que conseguisse; no limite, a fornada podia fazer-se amanhã. Ainda assim, terminei os dezasseis que precisava – um a mais e ainda é pouco, que nestas coisas não vá o diabo tecê-las.

De qualquer modo acho-os feiosos e não me parece que, sem necessidade, os vá voltar a fazer outra vez.

P1120628

 

 

Pode ver mais em

Tardoz.pt

Tardoz – facebook

Recta final

P1120622

 

Entrei na recta final da manufactura das réplicas para o Arco do Alhambra, no Palácio da Pena. Depois de fazer inúmeras experiências de cores de vidrados e tintas, tive de me forçar a decidir por algumas delas e arriscar-me a vidrar e pintar alguns azulejos, não fosse ficar aqui ad aeternum em busca de um tom que agora é um bocadinho mais verde limão e depois leva mais 0,3% de M702 e afinal também ainda mais um grama de manganês; mas diluído em 15ml e não em 30, como tinha feito antes – felizmente o prazo de entrega foi antecipado e de repente fiquei com cerca de uma semana a menos do que aquilo que eu estava a contar.

Estive então a vidrar as chacotas das parras e das videiras. Aparentemente este processo não é assim tão linear como aquele a que eu estou habituada; uma vez que não se tratam de azulejos lisos, tive alguma dificuldade em perceber qual a espessura ideal do vidrado a aplicar – se mais fino, comportando-se melhor nas zonas relevadas mas ficando careca sobre o fundo; se mais espesso, cobrindo perfeitamente o fundo, mas com o risco de ficar com demasiada camada na zona do relevo, o que poderá traduzir-se em abertura de gretas ou fendilhamento das cores aquando da cozedura.

Agora falta a pintura. Amanhã, se tudo correr bem, ficam os 20 prontos a irem para o forno. E depois só faltam as Panóplias Militares – que têm cores completamente diferentes destes.

Espreite também em

Tardoz.pt

Facebook.com

SECOS

P1120608

 

Entrei neste ano de 2015 com algum trabalho entre mãos, o qual me tem mantido bastante ocupada nestes últimos tempos. Tive uma encomenda de réplicas de três azulejos relevados diferentes – Parra com cacho de uvas, Videiras e Panóplias militares -, que já tinha falado aqui e aqui, num total de trinta e cinco unidades. Apesar da pouca quantidade de cada tipologia, a fase inicial inicial é sempre a mesma, trabalhosa e minuciosa – modelar um protótipo à vista e depois fazer um molde. A partir desse molde consigo tirar o número de unidades que preciso, neste caso dez ou quinze de cada, mas que poderiam até ser mil.

Neste momento e depois de penar com tanto frio e humidade no ar, tenho finalmente todos os azulejos secos e prontos para serem enchacotados. E depois é passar à segunda fase, a dos vidrados e tintas, a qual, confesso, me deixa sempre ligeiramente angustiada.

Mais informação em Tardoz.pt

RELEVO

P1120586

Dei por terminada a modelação do protótipo do azulejo relevado com a parra e o cacho de uvas.

É difícil parar; há sempre mais um retoquezinho a fazer e mais um pormenor a melhorar e mais qualquer coisa que ainda não está bem e o tornilho gira no seu eixo, sempre às voltas sobre si mesmo; infinitamente para a esquerda e para a direita, de modo a podermos trabalhar todos os ângulos de todos os ângulos, sem sairmos de mesmo lugar. Às vezes penso que nalguma altura deveria aparecer alguém aqui que me dissesse pára, pá, que isso já está mais do que bom!, mas não aparece ninguém e assim continuo a girar o tornilho de um lado para o outro, à procura de algo mais para fazer; os óculos  na ponta do nariz e uma bolinha de barro pequenina na mão.

Dei por terminada a modelação deste protótipo; lá me lembrei que ainda tenho mais outros dois para começar. E pensando que as dez réplicas que preciso fazer vão estar misturadas entre não sei quantos azulejos originais a não sei quantos metros de altura, se calhar não deverei estar assim tão preocupada com os detalhes do relevo – assim consiga as cores das tintas e dos vidrados.

CHÃO

P1120556

Estão prontos os azulejos para o chão da Capela Manuelina, em Sintra. Por mais experiência que tenha, há sempre algumas questões de trabalho que me continuam a escapar e que não contemplo em orçamento – nunca tinha feito chacotas tão grossas, 15x15x2cm e desta vez não me lembrei que poderia vir a ter problemas para as enfornar na cozedura de vidrados; as gazetes existentes no mercado são feitas para chacotas muito mais finas, para 1cm de espessura no máximo. Como sou engenhocas, acabei por conseguir contornar o problema, mas depois percebi que só conseguia enfornar 24 azulejos de cada vez, metade daquilo que tinha previsto inicialmente. Enfim; esta para a próxima não me vou esquecer. (E acabo de me lembrar agora mesmo, tarde demais, que teria sido giro se em vez de gazetes tivesse usado trempes para empilhar os azulejos dentro do forno – aliás, não era assim que se enfornava no séc. XVI? )

Hoje fui à Pena entregar todas as réplicas que me pediram – estes azulejos para o chão, os relevados com a estrela para o altar e ainda as cantoneiras verdes. Ficaram bem; vim de lá satisfeita, com um sorriso nos lábios e o Sol a bater-me na cara ao longo da IC19.