PARRAS EM RELEVO

Em arrumações ontem aqui na oficina, com vista a rentabilizar o espaço, dei-me conta de que neste momento já executei e possuo toda a colecção de réplicas e de moldes de todas as tipologias de azulejos históricos com parras em relevo: não só as mais antigas, do século XVI, realizadas para o Palácio Nacional de Sintra – existentes no Pátio de Diana, na Sala das Sereias e no Quarto do D. Sebastião -, mas também as mais recentes, do século XIX, executadas para o Palácio Nacional da Pena – existentes no Arco do Alhambra.

É engraçado porque executei primeiro réplicas das mais recentes, aqui há três ou quatro anos, e só agora, há pouco tempo, é que fiz as réplicas das mais antigas – as quais terão, certamente, inspirado as outras mais modernas. É engraçado também comparar as técnicas de manufactura das diferentes épocas de fabrico; nas mais antigas pode-se observar que a superfície relevada era trabalhada directamente com vidrados coloridos à base de óxidos metálicos, enquanto que nas mais recentes se utiliza já a técnica da Majólica, onde as cores são pintadas directamente sobre vidrado branco, estanífero, ainda em crú.

 

 

CRUA

Acabei de vidrar a primeira amostra das réplicas de frisos em relevo que estou a fazer para o Palácio Nacional de Sintra.

Confesso que, de uma forma geral, estou sempre pouco confiante com a questão dos vidrados e em casos como este ainda mais, uma vez que os mesmos são aplicados com trincha, coisa a que não estou habituada e fico sempre um pouco angustiada com o trabalho, pois não consigo ter noção da espessura das camadas que apliquei, – se demasiado finas, se demasiado espessas. E em ambos os casos temos defeitos de vidrado depois da cozedura.

Enfim, vai ao forno esta noite; resultados, agora, só na segunda-feira. Vou passar o fim-de-semana a fazer figas.

 

 

 

OBCECADA

 

Acabei de modelar a réplica da peça inferior do conjunto de duas que compõem um dos elementos do friso da Sala Árabe, no Palácio Nacional de Sintra.

Demorei um pouco mais de tempo do que aquele que previ inicialmente; tive alguma dificuldade em perceber a definição dos relevos, apesar de ter várias fotografias tiradas de diferentes ângulos, por onde me basear – mas não é o mesmo do que ter uma peça original comigo, claro.

Bom, de qualquer modo, hoje dei-a por terminada –  muito a custo, que é sempre um problema eu conseguir parar; digo para mim mesma, em voz alta, pronto; já está!, isto depois pode-se aperfeiçoar directamente no gesso; mas fico obcecada com a coisa e começo a aperfeiçoar só mais este bocadinho e depois só mais aquele bocadinho, até dizer de novo, pronto, já está!, e começar outra vez a aperfeiçoar só mais esta pontinha e depois aquela… – mas, como estava a dizer, hoje dei a peça por terminada e pronta para tirar o molde, que o trabalho tem de avançar.

MAÇAROCA E FLOR-DE-LIS

Depois da empreitada que tive no final do ano passado, a produzir cerca de 50 réplicas de azulejos diferentes, com várias tipologias, tamanhos e espessuras para o Palácio Nacional de Sintra, foi-me agora pedida  ainda a manufactura de mais dois exemplares, que não tinham ficado decididos na altura.

Trata-se de uma réplica de um dos elementos do friso de azulejos relevados da Sala Árabe, compostos por duas peças verticais, com uma maçaroca numa flor-de-lis. Tal como a maioria das outras réplicas que fiz anteriormente, não existe nenhum exemplar disponível para ter comigo aqui na oficina, nem retirei nenhum molde do relevo directamente dos azulejos na parede, pelo que a modelação das peças é feita a olho, tentando reproduzir os motivos de modo a que estas se assemelhem o mais possível às originais do séc XVI.

Acabei agora de modelar o elemento superior; o próximo passo é tirar-lhe o molde.

 

RELEVADOS

Ainda na série de réplicas de azulejos de várias tipologias que tenho andado a fazer para o Palácio Nacional de Sintra, foram-me pedidos também dois exemplares destes frisos com um motivo vegetalista em relevo.

Os azulejos originais encontram-se em mau estado de conservação, apresentando não só pequenas e médias lacunas de corpo cerâmico, como também falhas de vidrado de grandes dimensões, algumas das quais quase na totalidade da superfície. Para esta situação contribui em larga escala o facto destes azulejos se encontrarem colocados num pátio exterior do palácio há mais de 500 anos e como se não bastasse, quando falamos de exterior, neste caso, estamos a referir-nos a um exterior… em Sintra.

Esta introdução toda é só para dizer que tive alguma dificuldade com a manufactura destes frisos; não tive nenhum azulejo original comigo aqui na oficina por onde me pudesse basear nem recorri a nenhum molde em silicone para confirmar o relevo, de modo que tive que me guiar pelas medidas que tirei quando lá fui ao local e modelar o protótipo em barro através das fotografias tiradas estrategicamente de vários ângulos; sendo que os azulejos originais, que parecem todos iguais, são na verdade todos diferentes  e que as falhas de vidrado e as pequenas lacunas de corpo cerâmico existentes não ajudaram a reproduzir, assim a olho, uma peça com estas características.

Nestas condições, estes exemplares foram a melhor reprodução que consegui fazer – têm um ar super-novo, mas se os deixarem no pátio lá fora por algum tempo, acho que rapidamente acabam por ficar mais parecidos com os originais.

 

 

 

 

RELEVADO

Tenho andado sem mãos a medir com a manufactura de réplicas para o Palácio da Vila, em Sintra.

Para além dos azulejos de aresta-viva e corda seca, que por si só já são complexos de executar, o maior desafio é reproduzir os azulejos com motivos em relevo.

Apoiada no cálculo de retração que o barro sofre após a secagem e a cozedura, o protótipo de cada azulejo é modelado à vista, tentando que o motivo em relevo se assemelhe o mais possível ao do azulejo original e respeitando não só as suas dimensões como também a sua espessura – neste caso, cerca de 16x16cm e quase 3cm de espessura, maravilhoso!

Depois do modelo estar terminado, tira-se-lhe um molde em gesso, a partir do qual é possível reproduzir tantos azulejos quantos se queira ou precise – neste caso, dois.

PROTÓTIPOS

2016-09-20-10-05-35

Ontem mostrei finalmente os protótipos dos azulejos em meio-relevo, que fiz por encomenda para a galeria Objectismo e que já tinha falado aqui.

Cada azulejo foi vidrado com um branco diferente e depois de encontrar o amarelo pretendido iniciei a pintura, mas deparei-me logo com algumas dificuldades; fazê-la manualmente seria o mais lógico – e foi como comecei – mas depois de pronto o primeiro azulejo percebi logo que iria ter problemas caso me pedissem para produzir uma série deles.

Resolvi passar ao plano B e optar pela técnica da estampilha, a qual não é óbvia quando se está a falar de pintar sobre motivos relevados – convém que a abertura da máscara coincida com o perfil das saliências -, mas após algumas tentativas falhadas, lá acabei por conseguir. O resultado ainda não está perfeito; mas a pintura executa-se mais rapidamente e caso me peçam para produzir uma série de azulejos, o logotipo aparece pintado sempre com as mesmas características.

O cliente viu – e gostou. Escolheu o protótipo com o vidrado branco que mais lhe agradou e  pediu-me para produzir uma série destes azulejos.