O ANO DA ESTAMPILHA

Entre as mil e uma coisas que ando a fazer ultimamente, comecei esta semana a trabalhar em mais um pequeno projecto de réplicas de azulejos para uma fachada de um edifício em Lisboa – de repente e, agora que já estamos em Dezembro, começo a aperceber-me de que nunca tinha feito tantos azulejos de estampilha como neste ano; desta vez serão cinquenta unidades deste padrão e mais quinze para o respectivo friso e curiosamente já é a segunda variante desta padronagem linda que faço em tão pouco tempo.

 

 

 

 

 

Anúncios

BARRAS, PALMITOS E CERCADURAS

Esta semana entreguei todas as réplicas dos azulejos que fiz para a fachada de um edifício antigo, futuro hotel, no centro de Lisboa – no total, foram quase 300 unidades que irão colmatar as lacunas existentes na parede, divididas entre padronagens, esponjados, frisos, cercaduras, barras, palmitos, albarradas e ainda com tonalidades, dimensões e técnicas diferentes.

Ficaram bem, aqui na oficina. Tenho a certeza que lá, na parede, ainda vão estar melhor – vejo depois, quando por ali passar.

INVULGARES

Comecei a ver os resultados da empreitada da manufactura de réplicas de azulejos que estive a fazer para a fachada de um antigo edifício no centro de Lisboa a qual me manteve bastante ocupada nestas últimas três semanas.

Estou bastante satisfeita; os mais complexos de fazer, estes azulejos de estampilha com acabamentos à mão, cuja padronagem é bastante invulgar – pelo menos eu nunca a tinha visto e eu já vi muita padronagem azulejar! – ficaram bastante bem e já estão prontos a irem para a parede.

FUCKING CHRISTMAS

De vez em quando acontece-me isto: tenho encomendas de trabalhos muito engraçados e divertidos de fazer. Aqui há uns tempos, pintei uns azulejos com desenhos infantis, que na altura falei aqui e agora foi impossível não aceitar o desafio da Ana Saramago para fazer estas decorações de Natal tão fofinhas para o  Hardcore Fofo   – são a minha cara!

Confesso que foi muito libertador escrever La la la, o caralho! umas vinte vezes – sempre me apeteceu e nunca me tinha acontecido.

 

 

PINTURA

Tenho andado ocupada com a manufactura de réplicas de azulejos para a fachada de um prédio bem conhecido no centro de Lisboa – que em breve dará lugar a mais um hotel na Baixa Lisboeta.

Tratam-se de azulejos de diferentes dimensões e técnicas e épocas e cores e tons; com motivos repartidos entre padronagens, barras, cercaduras e figurativos – no total, catorze tipologias diferentes, as quais têm de ser feitas de acordo com as quantidades que faltam a cada uma; ora três, ora sete, ora vinte e duas do lado esquerdo, ora dezasseis do lado direito; esta já está acabada, aquele não ficou bem; vou ter de repetir.

Aos poucos a coisa avança, com alguma calma e atenção, mas a bom ritmo. No total são um pouco mais de duzentos e cinquenta.

MASCOTES

Há muitos anos – muitos, acho que mais de quinze; muito antes de eu ter a mesa de lastras e quando ainda me dedicava quase a 100% à conservação e restauro de azulejos -, foi-me pedido um orçamento para azulejos manuais laranjas e vermelhos, com 10x10cm cada, com o requisito de serem bastante toscos e irregulares. Como na altura tinha muito pouca noção dos tempos e dos custos da manufactura deste tipo de azulejos, resolvi fazer um metro quadrado de chacotas para me ajudar com as contas.

O trabalho nunca foi para a frente e as quase cem chacotas ficaram aqui na oficina, guardadas num armário, a ocupar espaço – nunca lhes dei grande uso; não se adaptavam aos trabalhos que eu ia tendo mas fazia-me impressão deitá-las fora. E assim sendo, carreguei com elas várias vezes de um lado para o outro; volta e meia lá ia usando uma ou outra para testes de cores ou amostras de vidrados, mas nunca lhes consegui ver grande utilidade.

Até agora – finalmente consegui dar-lhes uso.

 

 

 

 

 

REGATA

Ainda na mesma maré: acabei de entregar esta pequena colecção de 25 azulejinhos manuais, de 7x7cm cada, com barcos à vela prestes a levantar âncora e zarpar rumo à Nova Zelândia – uma pequena encomenda que me fizeram a semana passada e que terminei já, antes que os trabalhos maiores que se avizinham me ocupem o tempo todo.