DE LÉS A LÉS

 

 

Ontem tive um longo dia.

Tinha bilhete para o intercidades das 6.39h e claro, com medo de não acordar – coisa que nunca me acontece -, ou de não ouvir o despertador – coisa que também nunca me acontece -, praticamente não preguei olho durante a noite toda e ainda não eram seis da manhã quando saí de casa, carregada com amostras de cores de vidrados brancos e de tons de azul, amarelo, verde e manganês, pronta para apanhar o autocarro 750 para a gare do Oriente, o qual apareceu mal cheguei à paragem e que em vinte minutos me pôs lá.

Tal como estava previsto, às 9h cheguei a Aveiro, com o objectivo de me encontrar com a minha colega responsável pela intervenção de conservação e restauro do conjunto azulejar de um solar na Vila de Santar, para onde iríamos depois; mas, aproveitando-me ali, vimos os azulejos da estação, que também estão a ser intervencionados sob a sua responsabilidade, e cujas réplicas serei eu a fazer.

Depois fomos para Santar, a uma hora de caminho, onde tínhamos reunião no Solar de Nossa Senhora da Piedade,  marcada para as onze horas e onde chegámos muito pontualmente. Numa das salas desta casa existem seis silhares de azulejos figurativos que não pertenciam àquele local e que se encontram em mau estado de conservação e com muitos azulejos trocados e muitos azulejos em falta. Os silhares estão na parede e os azulejos são de difícil levantamento, o que quer dizer que os desenhos em falta, relativos a cada azulejo terão de ser devidamente marcados e elaborados de acordo com as linhas, as manchas cromáticas e os tons dos azulejos envolventes uma vez que estes não estarão aqui na oficina aquando da pintura das réplicas. Assim sendo, o dia foi passado a decidir que azulejos trocados devem ser levantados e substituídos por réplicas, quais as lacunas que podem ser colmatadas com azulejos originais levantados de outro lugar e ainda a escolher os melhores tons de vidrados adequados a cada réplica, segundo a sua posição dentro de cada silhar – tudo devidamente identificado e apontado, claro está.

Por volta das 17h estava com a minha cabeça em água e concluí que já não estava a perceber nada do que era para fazer e que o melhor seria voltar lá uma próxima vez, depois dos painéis se apresentarem já limpos e com os azulejos todos já nas suas posições definitivas, para aí, então,  ver quais as lacunas existentes e quais os desenhos a elaborar e assim, despedimo-nos e metêmo-nos de novo ao caminho, de volta a Aveiro.

Doze horas depois, na estação de Aveiro, carregada com amostras de cores de vidrados brancos e de tons de azul, amarelo, verde e manganês, apanhei então o intercidades das 18,24h, com destino a Lisboa e saí na Gare do Oriente, às 21.00h, onde me dirigi à paragem do autocarro 750 com a esperança de que ele aparecesse mal eu chegasse à paragem e que passados vinte minutos me metesse em casa.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Anúncios

2 thoughts on “DE LÉS A LÉS

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s