UMA SARDINHA NO INVERNO

P1110454

Há dois anos concorri ao concurso «A sardinha é minha!», da EGEAC, com dois desenhos de duas sardinhas, pintados à mão e ambos baseados na azulejaria tradicional portuguesa. Nenhuma delas ganhou nenhum dos três primeiros lugares – serem a cara dos cartazes das Festas de Lisboa desse ano -; uma nem sequer foi seleccionada, mas a outra acabou por ficar dentro das 150 finalistas e integrar a exposição que foi feita nessa altura. Fiquei satisfeita.

Nunca mais liguei nenhuma a estas sardinhas. Na verdade, nem a estas nem a outras; não tenciono concorrer de novo e para mim este tema estava encerrado. Isso até aqui há uns dias, quando sou contactada de novo pela EGEAC que me comunica que eu – ou melhor, a minha sardinha – tinha sido seleccionada pela Fábrica de Cerâmica Rafael Bordallo Pinheiro para ser integrada numa colecção de 20 sardinhas em porcelana que eles pretendem fazer. Isto, se eu estivesse interessada, claro e se o meu desenho for adaptável à sardinha protótipo deles.

É o que estou a fazer agora; a adaptar o desenho. Com as mãos geladas e o pingo no nariz; a pensar no calor de Junho, com bailarico e cheiro a sardinha assada.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s